3 técnicas infalíveis para melhorar a aprendizagem

Muitos estudantes sofrem de um mal constante: estudam logo depois, esquecem tudo. Quantas vezes não passamos aqueles dois dias antes da prova enchendo a cabeça de informação e, na hora de colocar no papel, não nos lembramos de nada? Pois é… Aqui entra aquele conhecido cenário de boa e má notícia: a má notícia é que provavelmente você está estudando errado; a boa notícia é que existem maneiras de estudar do jeito certo ou, pelo menos, de um jeito melhor.

O primeiro passo para otimizar a aprendizagem é entender o que acontece no cérebro durante o processo. Então, vamos falar um pouquinho sobre neurociência (calma, vou explicar isso de maneira bem simples): dentro do nosso cérebro existem dois tipos de memória – a memória de longo prazo (MLP) e a memória de trabalho (MT). O que acontece é que a MLP é bem maior que MT, mas é na MT que ocorre o raciocínio e, consequentemente, a aprendizagem.

aprendizagem

Diagrama do blog MaisAprendizagem.com

Quando o ambiente externo nos expõe a um novo estímulo, ou seja, uma nova informação, esse estímulo entra na MT e procura fazer associações, conectando-se a informações contidas na MLP. Quanto mais associações são feitas, mais fortes ficam essas conexões. Isso faz com que aquela nova informação fique cada vez mais sedimentada na MLP, até se fixar por completo. Assim, podemos concluir que, para aprender melhor, precisamos fazer com que os estímulos recebidos pela MT encontrem o seu espaço na MLP da maneira mais eficiente possível.

E, então, vamos às técnicas?

PRÁTICA DELIBERADA

Embora seja muito usada na aprendizagem de música e nos esportes, a prática deliberada é uma forte aliada para desenvolver habilidades cognitivas. Ela consiste é, claro, em prática! Mas, uma prática estruturada para melhorar o seu desempenho. É importante ter em mente que não se trata de uma atividade divertida, ou da mera repetição de algo que você já sabe (como ler no mesmo ritmo de sempre, ou dirigir um carro); a prática deliberada deve ser voltada a desafiar os seus pontos fracos, o que exige muito esforço intelectual. Portanto, se você estiver no “piloto automático”, NÃO está fazendo prática deliberada.

Esta técnica é eficaz porque nos permite reorganizar o conhecimento, recuperar informações com mais rapidez, melhorar a nossa capacidade de abstração e tornar o nosso pensamento mais preciso. Para ter sucesso com a prática deliberada é preciso abrir mão de recompensas imediatas. Alguns pontos fundamentais são:

  • atenção ao feedback imediato (o som de um acorde musical complicado, a quantidade de palavras lidas em um minuto, etc.);
  • repetição (antes de começar, estabeleça uma meta desafiadora, mas atingível e só pare quando atingi-la; depois, repita o processo); e
  • registro (mantenha um diário ou arquivo com os dados de cada sessão para acompanhar a evolução do seu desempenho).

Na área da aprendizagem, a prática deliberada é um valioso recurso para desenvolver a habilidade em tarefas cognitivas, diminuindo o tempo de aquisição dessa habilidade. Ao praticar deliberadamente, o resultado aparece em um menor espaço de tempo. Alguns exemplos para o uso da técnica na aprendizagem são: leitura, memorização, concentração, capacidade de síntese, etc.

APRENDIZAGEM ESPAÇADA

A aprendizagem espaçada teve origem na Inglaterra, mas vem sendo difundida por todo o mundo. O mote dela é a neurociência. A técnica consiste em uma sessão de estudos coordenada para induzir o processo químico da MLP. Para isso, são arquitetados três blocos de estudo de 20 minutos, intercalados com dois blocos de intervalo de 10 minutos. A sessão deve ser dividida assim:

1º – aula intensiva (com MUITA informação!) – 15 a 20 minutos

2º – intervalo (com atividades físicas ou brincadeiras) – 10 minutos

3º – aula interativa (com o mesmo conteúdo da primeira aula) – 15 a 20 minutos

4º – intervalo (com atividades físicas ou brincadeiras) – 10 minutos

5º – aula voltada à resolução de problemas – 20 minutos

É importante que, durante os intervalos, o aluno faça qualquer coisa que não esteja relacionada ao tema da aula, pois, é durante esse “descanso” que a MT faz as conexões com a MLP, sedimentando a informação para mais tarde.

Ok, e pra quem estuda em casa? Bom, neste caso, a criatividade entra em campo. Se você faz cursos em áudio ou vídeo, tente acelerar a rolagem da aula, intensificando a quantidade de informações no primeiro bloco. Se você estuda com livros, acelere a leitura, procure por exercícios ou, até mesmo, leia um capítulo em voz alta para o seu gravador para depois ouvir com a rolagem acelerada. Nos intervalos, lave a sua louça, arrume o seu quarto, faça uma pequena caminhada até a padaria… As possibilidades são infinitas!

LEITURA DINÂMICA

Esta última técnica é vítima de opiniões divididas, mas vale a pena conferir. A leitura dinâmica consiste em acelerar o processo de leitura, focando em palavras-chaves que são importantes para o assunto que você está estudando. Quem faz leitura dinâmica não fica “lendo com os olhos” e encarando as palavras por muito tempo (para um leitor normal, esse processo dura 0,25 segundo por palavra – não parece muito, mas é um valor considerável levando-se em conta a quantidade média de palavras de um livro).

Alguns métodos da leitura dinâmica são:

  • Skimming: aquela procura pelas palavras-chaves, seguida de uma leitura atenta do texto quando tais palavras são encontradas;
  • Meta guiding: uso do dedo ou de uma caneta para guiar os olhos, diminuindo as distrações e acelerando a leitura;
  • Apresentação Visual Serial Rápida (AVSR): usado em sistemas digitais (como vários aplicativos para smartphones), você copia o texto em um programa que faz com que palavras individuais pisquem na tela, direcionando a sua concentração a uma palavra de cada vez. Depois de alguma prática é possível acelerar ainda mais a velocidade das palavras na tela.

Como dito, há quem diga que essa técnica não é eficiente, assim como há os seus defensores. No entanto, para quem está à procura de técnicas que ajudem a melhorar a aprendizagem, é válida a tentativa. Para quem tem interesse em dar uma chance à leitura dinâmica, circula na internet um artigo original da Revista de Neurologia, com um breve passo-a-passo para tirar-se o melhor proveito da técnica.

CONCLUSÃO

Existem muitas técnicas de aprendizagem espalhadas por aí. Cada uma tem seus pontos positivos e negativos, mas é certo que todas elas requerem esforço e consistência. O importante é encontrar aquela que lhe traga os melhores resultados e não desistir na primeira dificuldade. Faça da aprendizagem um hábito!

E você, tem alguma técnica de aprendizagem eficaz que gostaria de compartilhar? Já testou alguma dessas? O que achou?

Conteúdo exclusivo
Cadastre seu email e receba novidades exclusivas do Curseduca!

Sobre o autor

  • Vanessa Pereira Leite

    Testar eu nunca testei nenhuma dessas técnicas, mas se fosse para ter uma aprendizagem melhor usaria a técnica da aprendizagem espaçada, porque falando a verdade quem gosta de ficar horas na frente de um livro sem descansar? É horrível, principalmente quando estamos em fase de provas, seja no Ensino Fundamental, Médio ou Superior, ninguém merece!!! Mas gostei das dicas, parabéns pela matéria mais uma vez, aprendemos muito com o site, muito bom mesmo!!!