Guia Prático da Técnica Pomodoro

Quem estuda e quem trabalha (principalmente quem trabalha por conta própria) está sempre à procura de maneiras de aumentar a produtividade. Para o especialista em desenvolvimento pessoal Steve Pavlina, produtividade é igual valor dividido por tempo.

Produtividade = Valor / Tempo

Ou seja, a produtividade de uma atividade é medida pelo valor produzido (sua qualidade) e pelo tempo gasto para sua completude. No caso dos estudantes, produtividade significa aprender mais e melhor, em menos tempo. Já no caso de quem trabalha, significa produzir mais, com maior qualidade, também em menos tempo.

Para ambos os casos, a Técnica Pomodoro pode ser uma aliada interessante. Criada para otimizar a contração nos estudos, hoje ela é usada por estudantes e profissionais mundo a fora, que usam suas regras básicas para escalar exponencialmente seus níveis produtivos. Portanto, se você não conhece a Técnica Pomodoro, continue lendo. E se já conhece, deixe sua opinião nos comentários. =D

Por que “Técnica Pomodoro”?

A Técnica Pomodoro foi criada pelo italiano Francesco Cirillo ali por volta do final dos anos 1980, início dos 1990. Durante seu tempo de faculdade, Cirillo tinha sérias dificuldades de concentração e um dia decidiu tentar se concentrar durante um curto intervalo, marcado em um timer de cozinha. Após alguns experimentos, ele percebeu que, não só sua capacidade de concentração havia sido melhorada, como sua produtividade havia aumentado. Na Itália, os timers em forma de tomate (pomodoro, em italiano) são muito comuns. Daí saiu o nome Técnica de Pomodoro.

Entendendo a técnica

Segundo artigo da escritora Tucker Cummings no site Lifehack, “a Técnica Pomodoro é uma filosofia de gerenciamento de tempo que procura prover ao usuário o máximo de foco e frescor criativo, permitindo, assim, que ele complete projetos mais rápido e com menos fadiga mental”.

Trata-se de uma operação simples: para cada projeto ou tarefa(s) que você tem que completar durante o dia, divida seu tempo em pequenos blocos de 25 minutos. Cada 25 minutos corresponde a um “pomodoro”. A técnica em si pode ser observada, mensurada e praticada em 5 passos:

  1. Escolha uma tarefa a ser completada;
  2. Configure um timer ou relógio para despertar em 25 minutos;
  3. Trabalhe nesta tarefa até que o Pomodoro chegue ao fim, em seguida, registre o que fez numa folha de papel;
  4. Tire 5 minutos de intervalo;
  5. A cada 4 Pomodoros, tire um intervalo maior.

É importante destacar alguns pontos em relação a esse conjunto de passos. O primeiro deles é que o Pomodoro é uma medida indivisível. Ou seja, você deve se concentrar em uma atividade e só nela (a não ser que você a termine antes dos 25 minutos, neste caso, já deve saber de antemão o que vai fazer em seguida) por 25 minutos. Isso quer dizer que você deve eliminar distrações internas (checagem de e-mails e redes sociais, notificações de celular etc.) e externas (ligações, pessoas batendo na sua porta etc.) para que complete o tempo de um pomodoro com o máximo de concentração possível.

Em segundo lugar, é essencial ter uma folha de papel com uma lista de tarefas anotadas. A cada pomodoro finalizado, você deve anotar o que foi feito. Se uma tarefa foi finalizada, deve marcar um X para indicar sua completude. Esse hábito de manter tudo anotado vai lhe dar uma noção clara dos seus níveis de produtividade ao longo do uso da técnica.

Por fim, os “intervalos longos”: sempre que somar 4 Pomodoros (100 minutos de trabalho e 15 de descanso), é hora de tirar um tempo mais longo para recarregar as energias e retomar o ciclo. Há indicações de descanso entre 15 e 30 minutos, mas é importante que seja o suficiente para que seu corpo e mente estejam preparados para os próximos 4 Pomodoros que virão em seguida. No entanto, esse período não deve exceder os 30 minutos.

Como se beneficiar dela?

A Técnica Pomodoro hoje em dia é usada não só como uma filosofia de estudo, mas, também, de trabalho. Uma pessoa que adota o uso regular da técnica pode se beneficiar dela em alguns aspectos como, por exemplo:

  • As sessões de trabalho pré definidas criam um “stress positivo”, que levam as pessoas a procrastinar menos;
  • O descanso entre as tarefas dá um período de “respiração” para o cérebro, diminuindo a estafa intelectual;
  • As sessões curtas nos levam a definir prioridades com mais clareza;
  • O fato de instigar o registro e a anotação faz com que não esqueçamos de nada e “liberemos” o nosso cérebro para o que realmente importa;
  • A marcação de tarefas completadas nos mantêm motivados;
  • É um método simples e barato.

Concluindo…

O uso da Técnica Pomodoro pode trazer benefícios rapidamente. Segundo o blog oficial mantido por seu criador, é possível ver resultados concretos já na primeira semana de aplicação da técnica. É claro que alguns aspectos podem apresentar uma adaptação mais difícil, como a eliminação de distrações e as constantes anotações. Mas, todo processo de criação de hábitos melhores requer certo esforço inicial que tende a ser recompensado mais à frente. De maneira geral, a Técnica Pomodoro pode ser bem efetiva e merece ser testada por aqueles que desejam aumentar sua produtividade.

Crédito da foto: Luca Mascaro

 

Conteúdo exclusivo
Cadastre seu email e receba novidades exclusivas do Curseduca!

Sobre o autor